quinta-feira, 24 de março de 2011

Sim, e aí?

Pelo visto, caiu mesmo no esquecimento o caso do veículo do Departamento Municipal de Trânsito fotografado dentro de um motel da cidade em pleno horário em que deveria estar em serviço.
O caso aconteceu ainda no ano passado e a Câmara Municipal de Marabá se comprometeu em pedir esclarecimentos ao Departamento de Trânsito, mas até agora a sociedade, que é de onde sai o dinheiro para toda essa farra no serviço público municipal, ainda não foi informada sobre quaisquer providências.
Leniente como ela só e envolvida no recente escândalo da vereadora Elka Queiroz, a Câmara Municipal parece esperar que o povo se esqueça dessa falta de respeito cometida por agente público, que, segundo consta, ainda não foi punido.
Para quem não lembra do caso, o Departamento Municipal de Trânsito era fiel depositário de um veículo apreendido pela Justiça. O carro vinha sendo usado nas atividades de fiscalização do órgão. Mas, numa bela tarde de sol, alguém fotografou o veículo devidamente estacionado na frente de um quarto de motel.
O que o carro fazia lá e o nome do agente que o conduzia são perguntas que até hoje andam ocas de resposta.

2 comentários:

ceiça holanda disse...

A situação do Departamento de Trânsito de Marabá está insustentável. Acontece de tudo e parece que vivemos em uma terra de ninguém. O DMTU recebe propina em plena via pública, os jornais denunciam mas não há punição, o DMTU persegue adolescente até a morte e continua tudo igual. Usam carros exclusivos do departamento para o bel prazer e nada é feito. Até quando?!

Denis Lima disse...

Marabá está abandonada em todos os níveis, municipal e estadual principalmente. No assunto Esmaelka não vou me surpreender se o caso acabar em pizza, pois como dizem por ai estão dando uma de "João sem braço", vai que cola. Esse caso do carro no motel é mais uma afronta, mas o que realmente me assusta é que estes aconteceimentos ja estão virando rotina e não estão mais indignando a população. Não estou dizendo que seja o mais correto a fazer, mas em outros paises ou tempos, as pessoas se reuniam em frente a tais órgãos e cobravam explicações, o que houve com essa sede de justiça?