segunda-feira, 28 de março de 2011

"Podres Poderes"

Não é nada pessoal. Mas alguns desabafos precisam ser feitos em relação ao “Caso Elka”.
Pra começar, os vereadores só resolveram investigar o mau uso de veículo da Câmara Municipal de Marabá depois que a malandragem veio à tona nos blogs e jornais. Não fosse isso, teria ficado velado sob grossos edredons.
Ao agirem com uma complacência imoral, os vereadores (ou pelo menos a maioria deles) mostraram que tudo aquilo contra o que eles dizem lutar é exatamente aquilo que eles são.
Não se trata de nenhuma caça às bruxas, mas agora a baderna – que nunca foi pequena – ficou liberada na CMM.
Pelo menos foi isso que eu entendi.
Para mim, os vereadores tiveram medo de ser mais rigorosos com Elka porque se enxergaram nela, porque sabem que são todos iguais – com algumas exceções que são difíceis de definir nesse momento.
O que mais me entristece nessa história toda é saber que a falta de compromisso de muitos dos nossos parlamentares com a comunidade se “justifica” pelo fato de que os votos foram comprados.
E se isso for verdade, o eleitor que vendeu seu voto não tem mesmo o direito de cobrar nada dos políticos.
Afinal de contas, já está tudo pago.
"E dança o povo negro, dança o povo índio sobre as roças mortas de aipim".

Um comentário:

Pedro Gomes disse...

Caro Chagas, é exatamente esta a leitura que faço desta situação toda.