sexta-feira, 2 de março de 2012

Bolsa Desespero

O Bolsa Família é o maior programa institucionalizado de compra de votos do Brasil. Tudo bem, mas e daí? Para quem vive na pobreza extrema num País como o nosso, onde os políticos faturam alto – mesmo aqueles que não roubam – somente às custas da estrutura governamental, o Bolsa Família é só uma migalha distribuída entre os mais carentes. Poderia ser até mais dinheiro, sabia?
E o desespero dos requerentes ao programa, aqui em Marabá, que se espremeram sufocados na fila de atendimento, esta semana, mostra o quanto as pessoas precisam do benefício.
É gente que não tem de onde tirar sustento. Gente sem estudo e sem perspectiva. É gente que foi abandonada pelo Estado.
É gente desinformada, coitada, que não sabia sequer que ainda existe mais um mês pela frente para fazer o cadastramento e conseguir o benefício.
O Brasil está cheio de gente assim, que precisa de educação, de informação, de atenção, de emprego... E enquanto isso não chega, tome Bolsa Família.
Eu sou a favor, muito a favor.

2 comentários:

Anônimo disse...

Caro Chagas, classifico como aviltante, humilhante e encabrestante, os Bolsa-Família, Vale-Gás e etc... O povo precisa é sim, de trabalho verdadeiro que lhe oportunize antes de mais nada, a recuperação da auto-estima, bem como, o salario para o próprio sustento/familiares e pagar suas contas. Essa é a forma correta. Em 09.03.12, Marabá-PA.

Stella disse...

Uma vez lendo um livro do Paulo Freire, ele fazia uma crítica a forma como as pessoas (a grande massa) são manipuladas por uma minoria (os dominantes/dominadores/opressores) e nesse livro, me lembro bem de uma imagem que ilustrava uma propaganda de um candidato a deputado federal. No otdor bem grande, tinha uma foto do deputado com um sorriso bem largo e os seguintes dizeres: "Você não precisa pensar, ele pensa por você, você não precisa fazer, ele faz por você, Você não precisa sonhar ele sonha por você, você não precisa lutar, ele luta por você". A ideia é essa meu amigo Chagas, pra que informação, se é alienando cada dia mais as pessoas que esse grupo (hegemônico) consegue se manter no poder as custas da dignidade alheia? Eu não sou contra o bolsa família, porque eu sei o quanto tem pessoas que necessitam desse dinheiro, tendo nele inclusive, asua única fonte de sustento. Sou extremante contra é essa forma perversa como essas políticas assistencialistas tiram das pessoas o direito de serem cidadãs, autoras da própria vida. Aquele abraço. Stella Freitas