terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Os fantasmas se divertem

Em Marabá, acontecem algumas coisas estranhas. Existe uma casa alugada em nome da uma repartição pública municipal, desde março do ano passado, mas o órgão continua instalado num dos cômodos do Saci – Serviço de Atendimento ao Cidadão.
A pergunta é: por que e para quem a prefeitura está pagando esse aluguel (que dizem ser altíssimo)? Já se vão 11 meses de aluguel de um prédio vazio. O dinheiro público escorre pelo ralo sem a menor cerimônia.
Depois que essa notícia vazou ontem (sempre na Rádio Clube de Marabá), tem gente se movimentando naquele órgão municipal para fazer a mudança o quanto antes. Com a palavra, o Ministério Público.
Os fantasmas devem estar se divertindo no casarão vazio, cujo dinheiro do aluguel saiu do nosso bolso.

2 comentários:

Quaradouro disse...

Gastar dinheiro à-toa na desadministração do Maurino Magalhães não é novidade.
Exemplos:
1. Em janeiro de 2009, assim que assumiu, o quase ex-prefeito renovou contrato anual com o escritório do advogado Inocêncio Mártires Coelho Filho no valor de R$ 120 mil, que embolsou essa grana assim de gode, sem escrever uma única linha que fosse do interesse público.
Esse contrato foi firmado na administração anterior (Tião Miranda) e sempre foi uma afronta à Procuradoria Geral do Município, a que compete defender Marabá.
2. Na relação de supostos demitidos, que Maurino divulgou recentemente, consta um certo secretário extraordinário em Brasília, cargo inexistente nos quadros da prefeitura. Salário: R$ 6 mil mensais.Fontes indicam inclusive o pagamento de uma mansão no DF (R$ 20 mil/mês), com encontros regrados a vinho Lambrusco.
3. Talvez por sentimento de culpa, o desgoverno Maurino é o que mais contratou advogados para serviços nem sempre bem explicados. Inclusive um escritório local, contratado com dispensa de licitação, para assessorar e resolver os graves problemas administrativos que o Miguelito enfrenta na SDU...
4. Fala-se em 80 (80!!!) caçambas alugadas pela prefeitura, não se sabe para quê, uma vez que a coleta de lixo é deficitária por falta justamente de caçambas e mão de obra, e não há nenhuma obra (aliás, nunca houve) em andamento, realizada pela própria prefeitura, que mobilize tantos veículos.

Blogue Marabá 2012 disse...

A excentridade é marca registrada da grande maioria dos políticos.

Imagina o tamanho da excentricidade quando o dinheiro é dos outros.