terça-feira, 23 de agosto de 2011

MST ocupa três fazendas no sul/sudeste do Pará

Integrantes do MST ocuparam três fazendas na região às 5 horas da manhã de hoje. As invasões fazem parte de um conjunto de ações que está sendo desencadeado pelo MST em nível nacional.
As fazendas invadidas são Nova Era, em Eldorado do Carajás, e Pequizeiro, ou Ponta da Serra, aqui em Marabá, que havia sido reintegrada no último dia 10 pelo Comando de Missões Especiais (CME). E em Tucumã, o MST invadiu a Fazenda Taomé.
Esta fazenda, segundo informações dos sem-terra, seria de propriedade do mega traficante Fernandinho Beira Mar.
Já a Fazenda Nova Era fica na margem da PA-275, entre Eldorado e Curionópolis, nas proximidades do Projeto de Assentamento 17 de Abril.
No caso da Ponta da Serra, o MST desafiou a ordem judicial para reintegração por entender que se trata de uma área pública e também porque havia um acordo celebrado em maio deste ano, entre Incra, MST e a Vara Agrária de Redenção, permitindo que as famílias sem-terra ficassem num acampamento de 10 hectares até que se definisse a situação jurídica da propriedade.
Desse modo, o MST entendeu que houve uma queda de acordo por parte do Poder Judiciário.
Os líderes do movimento já mandaram avisar: caso o governo do Estado mande novamente o Comando de Missões Especiais desocupar as fazendas, o MST vai fechar as principais rodovias de acesso ao sul e sudeste do Pará, exemplo do que fez em 2005.
Por outro lado, segundo o CME, os sem-terra podem ser presos por desobediência, pois reocuparam uma propriedade (Fazenda Ponta da Serra) que foi reintegrada por ordem judicial há menos de duas semanas.
Esclarecendo
Embora a Fazenda Ponta da Serra esteja no município de Marabá, o processo judicial foi desaforado para a Vara Agrária de Redenção depois que aconteceu uma discussão áspera entre a advogada dos fazendeiros, Maria Adelaide Vieira, e a juíza da Vara Agrária de Marabá, Claudia Regina Moreira Favacho Moura.
Na ocasião, a própria magistrada, por uma questão de ética profissional, pediu o desaforamento do caso.

Nenhum comentário: