sexta-feira, 3 de junho de 2011

Querem prender o Batista - É brincadeira!

Enquanto os assassinos dos ambientalistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo continuam livres e sequer foram identificados, o advogado José Batista Gonçalves Afonso, um dos mais ferrenhos defensores dos direitos humanos no Pará, corre o risco de parar atrás das grades.
É um paradoxo, mas é verdade. Batista, que é coordenador da Comissão Pastoral da Terra (CPT), na Diocese de Marabá, e que neste momento presta assistência à família dos ambientalistas assassinados em Nova Ipixuna, enfrenta uma ação na Justiça Federal e seu recurso será julgado no próximo dia 20.
Em primeira instância, Batista já foi condenado a dois anos e cinco meses de prisão, porque em 1998 estava assessorando o MST e a Fetagri num processo de negociação com o Incra, que culminou em um impasse em que alguns servidores do instituto tiveram seu direito de ir e vir cerceado durante algumas horas, por milhares de trabalhadores rurais que ali estavam acampados.
Vendo a possibilidade clara de o defensor dos direitos humanos ir para a cadeia, a Diocese de Marabá e diversas outras entidades estão redigindo manifestos para entregar aos desembargadores federais Carlos Olavo e Tourinho Neto, que analisam o recurso no próximo dia 20.
O que mais tem indignado as entidades ligadas aos direitos humanos é o fato de que o juízo da 1ª instância não aceitou que Batista cumprisse uma pena alternativa, o que é previsto em lei nesses casos.

3 comentários:

Anônimo disse...

Caro Chagas, é a pressão do "capital do latifundio" e dos madeireiros em ação. Não esqueçamos que um dos principais aniquiladores de nossas florestas, principalmente em Tailandia, chama-se Paulo Jásper (O Macarrão), hoje deputado estadual pelo PMDB, e hoje com residencia em Marabá. Em 04.06.11, Marabá-PA.

Anônimo disse...

~Noossa o prefeito dessa cidade é um desastre " Sem fallar q meeu pai esta lá sem nem ter por ond sair'
Aff'z isso mee tiraa do sériio'-'

Anônimo disse...

estava mais no que na hora... A lei nao é para todos?? E isso inclui membros de organizações sociais, inclusive os terroristas do MST!