quinta-feira, 14 de junho de 2012

Moradores do Racha Placa interditam estrada de acesso à Mina S11D, da Vale

Cerca de 100 moradores da vila Racha Placa, também conhecida como Mozartinópolis, no município de Canaã dos Carajás, interditaram na manhã de hoje, a estrada de acesso às instalações do maior projeto de mineração da Vale, o S11D, que está sendo implantado a 70 km da cidade de Canaã.
De acordo com informações da empresa, o projeto iniciará sua operação com a exploração de 90 milhões de toneladas de ferro por ano.
O protesto é contra a situação de isolamento e abandono que a mineradora teria submetido os moradores da vila.
Em 2010, a Vale comprou todas as propriedades do entorno da daquela comunidade e exigiu que os donos das terras que foram vendidas destruíssem as casas que tinham na vila. Com isso, os comércios, um hotel, sorveteria e outros empreendimentos foram jogados ao chão.
Mas cerca de 60 famílias pobres que moravam na vila e não tinham terra e que garantiam seu sustento trabalhando nas propriedades vizinhas, ficaram sem trabalho e sem alternativa.
Os moradores denunciam que a estratégia da Vale era desestabilizar a comunidade e, dessa forma, as famílias concordassem em sair da área recebendo valores irrisórios.
Mas eles se negaram a sair e, num processo de organização apoiado pelo STR de Canaã, a CPT e o CEPASP, exigiram que a empresa adquirisse uma área e fizesse o reassentamento do grupo.
Exigiram ainda que a Vale pagasse o valor de um salário mínimo para cada família até que todos fossem devidamente assentados, considerando, ter sido a Vale, responsável pelo isolamento da vila.
Em dezembro de 2010 a Empresa concordou em atender as exigências da comunidade, iniciou o pagamento de um salário mínimo para cada família e adquiriu a terra para o reassentamento do grupo.

No entanto, passados um ano e meio, o acordo não foi cumprido e as famílias continuam no mesmo local em situação de abandono e pobreza.
Para piorar ainda mais a situação, há 4 meses, que a empresa não paga a ajuda de custo para as famílias.
Sem alternativa, as famílias decidiram, na manhã de hoje, interditar a estrada de acesso ao empreendimento da Vale para exigir o reassentamento das famílias até o mês de agosto.
Exigem também a retomada do pagamento da ajuda de custo para as famílias; a liberação do acesso às propriedades do entorno da vila para coleta de alimentos; e a retomada das negociações de outras questões pendentes que a Vale não estaria cumprindo.
O sociólogo Raimundo Gomes da cruz neto, do cepasp, que está no protesto, diz que a interdição foi motivada pela situação de abandono das famílias.
Segundo ele, no momento que a Vale se propuser a registrar um acordo com as famílias, o protesto se encerra.
Este jornalista entrou em contato com a Assessoria de Imprensa da Vale e aguarda resposta sobre o protesto.

Nenhum comentário: