terça-feira, 29 de maio de 2012

Alpa: Produção deve começar dentro de 5 anos


Mesmo que o governo federal cumpra sua parte – o que até agora ainda não aconteceu – a Aços Laminados do Pará (Alpa) só deve começar sua produção em Marabá entre o final de 2017 e o início de 2018.
Isso ocorre porque a siderúrgica só começa a ser implantada quando o governo federal iniciar a construção da Hidrovia Tocantins Araguaia, com o derrocamento do canal do Lourenção, o que só deve ocorrer em meados do ano que vem (2013) ou até mesmo em 2014. E todo o processo de implantação da Alpa vai durar quatro anos, até que os primeiros aços laminados sejam produzidos.
Essa informação foi repassada a jornalistas de Marabá e de Belém, durante reunião na terça-feira (29), na sede da Mineradora Vale, no Rio de Janeiro (RJ).
Participaram do encontro com os jornalistas, o diretor global de Siderurgia, Aristides Coberllini; o diretor-presidente da Alpa, José Carlos Gomes Soares; o gerente geral de Projetos Siderúrgicos, Dimas Bahiense; e a coordenador executiva da Alpa, Daniella Barros Queiroz.
A conversa foi franca. Os executivos da Vale não fixaram um prazo para que a usina entre em operação, mas voltaram a afirmar que a Alpa será implantada, sim. Deixaram claro, porém, que o “Marco Zero”, a partir do qual serão contados quatro anos para que a siderúrgica comece a produzir, é a construção da hidrovia.
O tão propalado canal de navegação pelo Rio Tocantins, entre Marabá e Vila do Conde, é fundamental para a viabilidade da Alpa porque servirá não apenas para escoar a produção da usina, mas em primeiro lugar é por lá que chegará o carvão mineral que vai alimentar a usina (vindo provavelmente da Austrália ou de Moçambique, onde a Vale mantém minas desse tipo de carvão).
Os executivos da Vale exibiram um mocrocronograma geral do projeto para provar que tudo que estava ao alcance da Vale já foi feito. Resta agora a contrapartida do poder público.
Prova disso é que a Vale já investiu até aqui US$ 296 milhões na Alpa (divididos entre estudo de viabilidade, engenharia básica, ações sociais e ambientais, custeio da Vale e principalmente em terraplenagem).
“Para a Vale, esse projeto (Alpa) é irreversível”, sentenciou Aristides Corbellini, acrescentando que a Vale só não iniciou ainda a implantação da siderúrgica porque é difícil convencer o Conselho da Administração da empresa a investir US$ 5 bilhões num lugar onde ainda não existe via para escoamento de produção e tampouco para passagem do carvão. Ou seja: tudo depende da hidrovia.

Quando a hidrovia começa a ser feita?
Não existe uma data prevista para início do derrocamento do Pedral do Lourenção e alguns trâmites legais precisam ser cumpridos.
Primeiro é preciso ser concluído o projeto executivo, que está sendo feito pela Vale, ao custo de R$ 19 milhões. A previsão é de que este projeto fique pronto até o final deste ano.
Depois disso, começa outro estágio, que é colocar esse recurso dentro do Orçamento da União. Feito isso, será aberto o processo licitatório. E só então começa a obra, que está estimada em torno de R$ 360 milhões.
É possível que todo esse processo dure menos de um ano, desde que nenhuma empresa que porventura perder a concorrência pública (licitação) não recorra à Justiça, pedindo novo processo licitatório.

E o porto como fica?
Quase tão importante quanto a hidrovia é o porto público que precisa ser construído pelo governo do Estado. Mas, quanto a isso, os representantes da Vale se mostraram menos preocupados. “Não temos nenhuma reclamação contra o governo do Estado”, comenta José Carlos Soares.
O porto deve sair a um custo de R$ 70 milhões. Só o projeto executivo deve custar R$ 6 milhões.

Lote 11 não preocupa a Vale
A situação do Lote 11 parece não preocupar os representantes da Vale. Conforme já divulgado anteriormente, o Lote 11 é uma das propriedades particulares localizadas na área em que está sendo construída a Alpa e que foram desapropriadas, mas o dono não aceitou os valores oferecidos pelo governo do Estado.
Sobre o assunto, Corbellini disse não se preocupar com essa situação e considerou que isso faz parte do processo. Ele disse ter plena confiança de que – mais dia menos dia – a Procuradoria Geral do Estado vai conseguir resolver essa questão junto com o Poder Judiciário e o proprietário da área.
Diferente dos demais lotes que foram desapropriados para a construção da Alpa, o Lote 11 detém uma jazida de água mineral. Por isso o dono da área, empresário Eduardo Barbosa, não concordou com o valor oferecido, que foi de R$ 3 milhões. Ele entende que, pela concessão da jazida, dada a ele pelo Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), o terreno só pode ser desapropriado por R$ 60 milhões.
Barbosa conseguiu decisão favorável na Justiça, que impediu a imissão de posse para a Alpa. O Estado recorreu.

Poder público atrasou início da implantação
Em nenhum momento, durante a reunião com os jornalistas, os executivos da Vale criticaram os motivos que levaram o governo federal a atrasar o início da construção da Hidrovia Tocantins Araguaia. Mas, por outro lado, deixaram claro que a responsabilidade pelo atraso é do poder público.
Pelo macrocronograma feito pelo próprio governo federal, a Alpa deveria entrar em funcionamento já em maio do ano que vem (2013). Mas isso – obviamente – não vai ocorrer exatamente porque o governo removeu do PAC-2 os recursos destinados à hidrovia.
Ainda de acordo com a projeção inicial, o derrocamento do Pedral do Lourenção (um trajeto de 43 km) era para ter começado em dezembro de 2008.
De todo modo, na última reunião entre representantes da Vale e o ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, foi entregue uma minuta, relatando todos os investimentos da Vale em relação à Alpa e aguardando uma solução para a abertura da hidrovia Tocantins Araguaia.

GERAÇÃO DE EMPREGO
Na fase de implantação do projeto, que inicia logo depois que começar a ser aberta a hidrovia, serão gerados 12 mil empregos diretos no canteiro de obras.
Quando a siderúrgica entrar em operação serão gerados 3 mil empregos diretos e aproximadamente 12 mil indiretos.

VALE NA SIDERURGIA
Outro ponto que confirma o interesse da Vale em implantar a Alpa em Marabá é que atualmente a empresa opera vários projetos siderúrgicos pelo mundo que totalizam US$ 22 bilhões.
Eles irão somar 18,5 milhões de toneladas por ano à produção siderúrgica nacional, que em 2010 foi de 32,8 milhões de toneladas de aço bruto, segundo informações do Instituto Aço Brasil.
A estratégia de longo praz da Vale na siderurgia é promover o setor no Brasil, criando demanda adicional ao minério de ferro, agregando valor e gerando riqueza e desenvolvimento no País.
Entre as siderúrgicas que a Vale está envolvida está a Tyssenkrupp CSA Siderúrgica do Atlântico, no Rio de Janeiro; a CSP (Companhia Siderúrgica do Pecém), no Ceará; a CSU (Companhia Siderúrgica Ubu), no Espírito Santo; e a Califórnia Steel Industries (CSI), na Califórnia (EUA).

7 comentários:

muniz_medicalfarma disse...

Chagas,ainda bem que temos reporteres como você,que traz a informação correta sem esconder a verdade.Parabéns!!!!!

Anônimo disse...

Ô vantagem. isso todo mundo já sabia. o que a gente as vezes não fica sabendo é que vcs vão prai por conta da poderosa .isso não é normal.

reporterchagasfilho disse...

Ao meu amigo anônimo das 10h07, quero dizer que fomos ao Rio de Janeiro por conta da Vale, sim, mas leia meu blog para vc ver como isso não me comprou. Até pq uma viagemzinha de menos de 30 horas não é algo assim que possa fazer um homem da minha idade mudar de ideia.
Aquele abraço.

Anônimo disse...

Há é e por que vc não fala aí no teu blog e na reunnão que vc foi .que se ela é quem mais vai utilizar o canal por que ela não faz. não iria custar nada perto dos 5 bi. do projeto .isso é jogo de cena .

reporterchagasfilho disse...

Meu caro amigo anônimo, às vezes eu fico em dúvida sobre quem realmente deveria fazer a hidrovia.
Acho que uma boa saída seria uma parceria, já que a Alpa vai usar 22% da capacidade do canal.
Mas o problema todo é que foram privatizar a Vale.
Mas é isso.
Só pra fechar, não sou assessor de Imprensa da Vale, até recusei um convite uns 3 anos atrás.
Mas acho que todos nós de Marabá deveríamos acompanhar de perto essa história de hidrovia e Alpa.
Nunca quis fazer propaganda da Vale. Se pareceu isso, não foi essa minha intenção. Pelo contrário.

Anônimo disse...

Aqui tomando uma taça de vinho em casa de madrugada acho q c tá com razão .também não quis bancar o acusador.ainda acredito em vc aquele abraço.

Pretorian disse...

De certo que todos aqui em marabá deveriam estar a para dos acontecimentos envolvendo seu crescimento, tudo que estiver a favor da informação é valido parabéns ao jornalista, vamos acompanhar